Lapa dos Esteios

Dados do Património
Nome: Lapa dos Esteios

A Lapa dos Esteios faz parte da antiga Quinta das Canas situada na margem esquerda do Mondego. 
O Senhor Conde da Quinta de Canas, homem sensível à generosidade da Juventude, nunca se importou que a Lapa fosse o local de inspiração de Estudantes, Poetas, Escritores, Melancólicos, Boémios e ainda dos que sofriam de males de Amor. 
Todos íam à Lapa ouvir o Mondego e inspirar-se no perfume dos Laranjais.É por isso que do Choupal até à Lapa se vai em duas cordas de guitarra. 
O Mondego de então, era bordejado de Choupos e Salgueiros. Mas havia jasmim. E os laranjais que Coimbra sempre teve, ficavam nas proximidades
Espaço arborizado, ornamentado com alamedas e escadarias, ainda hoje constitui um belíssimo cenário que justifica o seu papel de musa de estudantes e poetas.
António Feliciano de Castilho, que foi estudante de Coimbra, veio aqui celebrar a Primavera. Deixou-o por escrito. A desafiar os deuses. 
Ainda no mesmo século, a Lapa é visitada por D. Pedro II, do Brasil, acontecimento que foi registado com uma inscrição na rocha, uma entre as muitas que lá existem e não deixam esquecer o papel importante que a Lapa dos Esteios sempre desempenhou no imaginário dos Estudantes e dos habitantes de Coimbra..
Mas a Lapa é também um livro de ervas, árvores e arbustos.
Ervas como o acanto, a erva de S. Roberto ou os alfinetes...
Árvores como os Adernos, cujo porte continua a marcar o privativo ancoradouro da Quinta, os Plátanos, as Tílias, os Folhados, as Palmeiras da China e os Bambús sempre presentes em Coimbra.